Na última terça-feira (19), a Prefeitura Municipal lançou oficialmente o selo em comemoração aos 190 anos de Descalvado. O Selo Oficial deve ser utilizado em todos os documentos oficiais do município (impressos ou digitais), e acompanhará todas as ações, eventos e solenidades envolvendo a ‘Agenda 190’, que é a agenda que está sendo elaborada para celebrar o centésimo nonagésimo aniversário do município.

A apresentação do selo foi feita no auditório da Secretaria de Educação e Cultura, sob o comando do prefeito Becão e do Secretário Marco Antonio Pratta. Participaram os representantes de todas as secretarias e departamentos municipais, oportunidade em que foram apresentados, além do Selo Oficial, o manual de utilização e os modelos de ofícios que a partir da próxima semana passarão a ser padronizados.

“Comemorar os cento e noventa anos de Descalvado é um momento histórico para a nossa população, e nós da Prefeitura, não poderíamos deixar essa data importante passar em branco. Além deste selo – que agora acompanhará todos os documentos oficias do município – estamos em processo de finalização do livro Descalvado 190 Anos, de uma extensa agenda de ações e eventos que se estenderão pelos próximos 17 meses (até setembro de 2023), bem como importantes atividades que também envolvem o bicentenário da Independência do Brasil, como é o caso da abertura do Obelisco na Praça do Centenário (atrás da Igreja Matriz). Serão dias de grandes eventos e de grande importância para a cidade”, explicou o prefeito Becão.

157 ANOS DE EMANCIPAÇÃO POLÍTICA

O lançamento do Selo Oficial marca o início das atividades da ‘Agenda 190’, bem a semana em que a cidade comemora os 157 anos de sua Emancipação Política. Segundo os registros do historiador Luiz Carlindo Arruda Kastein no livro “Conheça Descalvado’, a Emancipação Política de Descalvado aconteceu no dia 22 de abril de 1865, 56 anos depois da chegada do primeiro branco às terras que pertenciam aos índios caingangues.

Em 1865, Descalvado já era um povoado que merecia ter vida própria. Antes disso, pertencemos aos municípios de Franca, Mogi-Mirim e Rio Claro. Era chegada a hora de constituir a sua própria Câmara Municipal e adquirir a tão sonhada autonomia política. Graças ao empenho de Agostinho José Alves de Amorim (que nasceu na Província de Santa Catarina no ano de 1787 e residia em Descalvado desde 1809), o Imperador Pedro II, através da Lei nº 21 de 28 de fevereiro de 1844, transformou em Freguesia a capela curada de Nossa Senhora do Belém do Descalvado, desanexando as terras descalvadenses do município de Araraquara e transferindo-as para Franca”.

Com a elevação para freguesia da vila que estava em rápida ascensão, o ‘Belém do Descalvado’ – com suas fazendas repletas de cafezais, tocadas por incontáveis mãos escravas que além de cuidar da lavoura, construíam, substituindo as velhas taperas de pau a pique, por confortáveis habitações de pedra lavrada, terra, tijolo e cal – logo receberia com festa sua emancipação política em 22 de abril de 1865. Em novembro daquele mesmo ano, realizaria suas primeiras eleições, empossando sua Câmara em 1º de janeiro de 1866. A cidade trilhava agora com seus próprios passos.