A Prefeitura de Descalvado inaugura neste sábado (11), a nova sede da Vigilância Epidemiológica do Município, que a partir de agora, passará a atender no cruzamento das Ruas Sergipe e Brasil, no bairro Parque Milênio, região leste da cidade.

Atualmente instalado junto ao Centro de Saúde Dr. Vital Brasil, a Vigilância Epidemiológica do Município de Descalvado passará a contar com um espaço exclusivo e muito mais amplo, oferecendo maior segurança e privacidade aos pacientes atendidos pela equipe de profissionais. Em razão da pandemia causada pelo novo coronavírus, a Secretaria de Saúde identificou a necessidade de disponibilizar um novo local para abrigar a equipe da Vigilância Epidemiológica, oferecendo um espaço mais amplo e equipado e proporcionando um melhor atendimento a população que precisa destes cuidados.

A nova unidade de Saúde localizada no Parque Milênio foi denominada “Thiago Paludetti”, em homenagem ao descalvadense falecido aos 30 anos de idade, em acidente ocorrido no ano de 2010. Thiago foi enfermeiro e prestou serviços voluntários na Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Descalvado, além de trabalhar na antiga “Medes”, no Pronto Socorro Municipal e no Hospital Dona Balbina, de Porto Ferreira. Também foi professor no Curso Técnico de Enfermagem no Colégio Evolução.

O novo prédio da Secretaria da Saúde foi construído em uma área institucional entre as Ruas Sergipe e Brasil, no Parque Milênio. A Prefeitura investiu no local cerca de R$ 500 mil, sendo R$ 467 mil provenientes do Governo Federal, através do Ministério da Saúde, e o restante em contrapartida da Prefeitura. Os recursos federais foram uma conquista da ex vereadora Ana Paula Peripato Guerra.

SOBRE A VIGILANCIA EPIDEMIOLÓGICA

A investigação epidemiológica é um trabalho de campo, realizado a partir de casos notificados (clinicamente declarados ou suspeitos) e seus contatos, que tem por principais objetivos, a identificação da fonte de infecção e o modo de transmissão; os grupos expostos a maior risco e os fatores de risco; bem como confirmar o diagnóstico e determinar as principais características epidemiológicas. O seu propósito final é orientar medidas de controle para impedir a ocorrência de novos casos.

A investigação epidemiológica envolve o exame do doente e de seus contatos, com detalhamento da história clínica e de dados epidemiológicos, além da coleta de amostras para laboratório (quando indicada), busca de casos adicionais, identificação do(s) agente(s) infeccioso(s) quando se tratar de doença transmissível, determinação de seu modo de transmissão ou de ação, busca de locais contaminados ou de vetores e identificação de fatores que tenham contribuído para a ocorrência dos casos. O exame cuidadoso do caso e de seus comunicantes é fundamental, pois, dependendo da enfermidade, pode-se identificar suas formas iniciais e instituir rapidamente o tratamento (com maior probabilidade de sucesso) ou proceder o isolamento, visando evitar a progressão da doença na comunidade.

INVESTIGAÇÃO DE CASOS DE UMA DOENÇA

Em geral, os pacientes que apresentam quadro clínico compatível com doença incluída na lista de notificação compulsória, ou algum agravo inusitado, necessitam de atenção especial tanto da rede de assistência à saúde quanto dos serviços de vigilância epidemiológica.

Assistência médica ao paciente – primeira providência a ser tomada no sentido de minimizar as conseqüências do agravo para o indivíduo. Quando a doença for de transmissão pessoa a pessoa, o tratamento contribui para reduzir o risco de transmissão. Portanto, dependendo da magnitude do evento, a equipe de vigilância epidemiológica deve buscar articulação com os responsáveis pela rede de assistência à saúde, para que seja organizado o atendimento à população.

Qualidade da assistência – verificar se os casos estão sendo atendidos em unidade de saúde com capacidade para prestar assistência adequada e oportuna, de acordo com as características clínicas da doença.

Proteção individual – quando necessário, adotar medidas de isolamento, considerando a forma de transmissão da doença (entérica, respiratória, reversa, etc.).

Proteção da população – logo após suspeita diagnóstica, adotar as medidas de controle coletivas específicas para cada tipo de doença.

Outras demandas – A Vigilância Epidemiológica possui diversos setores com atividades definidas. Sendo dos nascimentos vivos, agravos (doenças de notificação), setor da imunização. Além disso, tem os programas  que trabalham doenças específicas, como hepatites, tuberculose, HIV, DSTs e violências.

A importância dos profissionais da Vigilância Epidemiológica no combate à Covid-19 e outras doenças e infecto contagiosa.

Boletins – Todos os dias, a equipe da Vigilância Epidemiológica e Secretaria de Saúde emitem os boletins epidemiológicos de quantos casos confirmados, suspeitos, óbitos e recuperados da Covid-19, em Descalvado.

Segundo Enfermeira Maria de Lourdes, a elaboração dos boletins é complicada, já que são novas informações chegando durante todo o dia. “No início conseguimos ter uma atualização mais frequente porque era um ou outro caso. Agora não. Existe um sistema de informação que o hospital e a unidade inserem esse dado no sistema e temos que entrar em cada dado de paciente para ver se saiu o resultado”, disse a enfermeira.

A profissional ainda explica que a vigilância só notifica um novo caso a partir do momento que recebe a notificação oficialmente. “Muitas vezes o hospital ou o laboratório fala de um caso positivo, mas a gente precisa esperar a notificação de fato chegar aqui para contabilizar”. Antes da pandemia, o órgão municipal contava com 5 profissionais: o infectologista Dr. Alexandre Micali, a Enfermeira Maria de Lourdes, a escrituraria Valquiria, e as técnicas de enfermagem Cristiane e Renata. Porém, devido ao aumento dos números de casos do novo coronavírus, foram recrutados mais profissionais:  uma psicóloga, uma profissional de limpeza especifica para desinfecção, uma escrituraria, um motorista e uma técnica de enfermagem.