O vereador Paulinho Gabrielli (Cidadania) cobra explicações da Prefeitura sobre a retirada da cobertura no ponto de ônibus da Praça Barão do Rio Branco, a Praça do Jardim Velho.

Lembrando que, localizado na região central, aquele é o ponto de ônibus mais utilizado frequentado pela população que utiliza o transporte público em Descalvado. Ele quer urgência na recolocação da estrutura.

“Há algumas semanas, a cobertura no ponto de ônibus do Jardim Velho foi retirada e até o momento não foi instalada nova estrutura para acomodação da população que é obrigada a aguardar o transporte sob sol e chuva”, aponta.

Projeto Arquitetônico

Paulinho questiona a Prefeitura e solicita o envio com urgência à Cooperativa de Crédito Crediguaçu (Sicoob) de projeto arquitetônico e paisagístico referente à revitalização da Praça Barão do Rio Branco, o Jardim Velho.

O vereador afirma que Prefeitura e Cooperativa firmaram Termo de Parceria n.º 01/18 que prevê ser dever do Município fornecer instruções, orientações e projetos necessários, bem como os projetos das obras de construção civil e jardinagem à empresa parceira. “Até o momento, no entanto, a Prefeitura não cumpriu sua parte”, diz.

“São inúmeras as benfeitorias que vem sendo realizadas naquela praça histórica, tornando o nosso Jardim Velho um espaço agradável e atrativo, e que, sobretudo, enriquece o aspecto visual da região central de Descalvado”, observa.

Manutenção

Paulinho solicitaurgência na manutenção e melhorias no trecho da estrada rural que passa defronte à Capela de Santa Terezinha do Menino Jesus, no Bairro do Butiá até a ponte do Rio Bonito.

“Aquela estrada, que é de terra, é uma via muito relevante, tanto para produtores rurais quanto para pessoas que moram naquela região, mas está em situação ruim, com muitos buracos e trechos irregulares, colocando em risco a segurança das pessoas que transitam pelo local”, alerta. “Os danos no leito da estrada são tão grandes que em determinados pontos é possível, inclusive, notar a tubulação aparente. Fui procurado por munícipes que relataram que, se providências não forem tomadas, a estrada terá de ser interditada”.